Portal RTS - Rede de Tecnologia Social



Informativo Eletrônico

E-mail*
Nome

                                             Twitter    YouTube    Aumentar o tamanho da fonte Voltar ao tamanho padrão de fonte Diminuir o tamanho da fonte
Ações do documento

A contribuição da extensão universitária para o desenvolvimento de Tecnologias Sociais

Por Aelson Silva de Almeida*

10/06/2010 - Nos últimos anos, no Brasil, ocasionada  por fatores político-conjunturais,a cobrança por uma universidade  mais inclusiva e mais próxima das  demandas sociais tem  crescido  significativamente. É advinda de setores  de Extensão das Universidades Públicas  dos movimentos sociais, organizações  não governamentais e de governos, que  cobram um compromisso, sobretudo  advogando uma resposta mais efetiva à crítica, aos ajustes e, principalmente,  à promoção do acesso dos grupos  populacionais às políticas públicas.

Um dos exemplos ilustrativos dessa cobrança é o movimento de instituições em defesa da promoção da inclusão social de populações  vulnerabilizadas pela pobreza por meio da disponibilização de Tecnologias Sociais (TS). A questão apresentada é: o que se espera  da universidade pública brasileira em termos de contribuição para o  desenvolvimento de Tecnologias Sociais? Ou, é possível a universidade,  com o seu isolamento estrutural, articular a Extensão, o Ensino e a Pesquisa em favor da produção de Tecnologias Sociais para segmentos  populacionais excluídos? São estas questões que o texto pretende elucidar ou, pelo menos,  fornecer mais elementos para a construção de outra postura da  universidade e órgãos financiadores em relação ao enfrentamento dos graves problemas de exclusão vividos pela maioria da população  brasileira.

Questões estruturais da universidade

Para Dagnino (2004), a universidade é disfuncional tanto à classe mais  abastada da população brasileira, quanto aos mais marginalizados.  O autor evidencia que sua estrutura institucional, que prima pela  promoção e status individuais, associada a uma visão linear de  produção e utilização de conhecimentos e tecnologias, não possibilita,  por um lado, a vinculação às empresas por meio da inovação  tecnológica. Por outro, a postura de detentores dos conhecimentos  científicos não possibilita maior aproximação das comunidades por  não dispor de identificação com as causas populares ou, simplesmente,  por não possuir conhecimento adequado que permita interação. Esse  fato ocorre, na maioria das vezes, para tentar legitimar a prática,   o oferecimento pontual de cursos, prestação de serviços e outras  modalidades tipicamente assistencialistas.

Em outras palavras, o que se observa, na organização da vida acadêmica, é que as funções básicas – o Ensino, a Pesquisa e a Extensão –, quando  existem, são exercidas com impressionante independência uma da  outra. Ademais, são sempre percebidas como fim da ação universitária  e não meio para promover o desenvolvimento e a qualidade de vida.

A indissociabilidade, prevista na Constituição Brasileira, tem sido  historicamente renegada, e a Extensão, em especial, continua sendo  considerada o “sapo” da história, quando deveria ser alçada à condição  de “príncipe”, de acordo com a metáfora de Ribeiro (2007).  Apenas mais recentemente, notadamente por interferência do Fórum  de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras  (Forproex) e de órgãos de governos preocupados com a efetividade das  políticas públicas, é que o não financiamento da Extensão Universitária  tem recebido críticas e começam a aparecer algumas iniciativas em  órgãos de fomento, a exemplo das bolsas de Extensão do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Contudo, a dificuldade da implementação da Extensão Universitária  não reside apenas no financiamento da Extensão, mas, sobretudo, nas  concepções que lhe deram origem.

A prática de Extensão Universitária

A prática da Extensão tem origem na concepção de universidade  detentora do saber, único, verdadeiro, iluminado que, por um lado,  deveria ser transferido à população e, por outro, deveria ser colocado  para assistir à população com o provimento de algum serviço. Dessa  forma, a Extensão Universitária Brasileira herda os modelos Europeu  e Americano da oferta de cursos e da prestação assistencial de serviços,  respectivamente.

A realidade e a necessidade de repensar a prática da Extensão Universitária só começam a ser pautadas no Brasil a partir do  movimento estudantil (União Nacional dos Estudantes – UNE) com  os projetos de democratização do ensino. Mais recentemente, com a  criação do Forproex, em 1987, os modelos conceitual e institucional  receberam críticas e formulações de alternativas para o surgimento  de uma Extensão Universitária mais engajada, dialogada e próxima da  população mais excluída (SOUSA, 2000).

As novas proposições pressupõem uma ação processual e contínua,  não pontual, em que o conhecimento científico interaja com os demais  saberes da população, em um diálogo permanente, visando à produção  de conhecimentos e à apropriação para a resolução de problemas  concretos das pessoas e de suas organizações.

O Plano Nacional de Extensão Universitária (FORPROEX, 2001) é  referência para a formulação de políticas de Extensão nas universidades  públicas brasileiras e salienta a necessidade de superação da Extensão  assistencialista e reforça a necessidade da Extensão como “processo  educativo, científico e cultural que articula o ensino e a pesquisa,  de forma indissociável, viabilizando a relação transformadora entre  universidade e sociedade”.

Assim, para que a universidade crie vínculos com a sociedade de interação  e não de transferência de tecnologias, destoadas das realidades vividas,  é necessário criar, permanentemente, um ambiente institucional que  reforce o caráter indissociável da Extensão, do Ensino e da Pesquisa. E,  ainda, ir além na compreensão de que a prática extensionista interativa  na universidade mantém uma constante dinâmica e renovação dos  conteúdos em sala de aula e produz investigação, conhecimentos e  tecnologias na medida em que as posturas defensoras da neutralidade  axiológica deixam de existir e as pesquisas passam a ser a descoberta da  realidade, dos problemas da população e das respostas aos problemas  para a imediata apropriação dos resultados.

É nesse contexto de mudança de enfoque epistemológico (visão de  mundo, compreensão da realidade) e metodológico (instrumento mais  democrático na construção do conhecimento científico e tecnológico)  que se insere a nova prática da Extensão. Decorre daí que a Extensão  deve ser necessária para o processo formativo da comunidade  acadêmica e também deve contribuir para viabilizar as transformações  necessárias da sociedade.

Nesse último aspecto, há uma crescente demanda para que a  universidade contribua com o desenvolvimento de TS, o que só se  concretiza a partir da visão de Extensão interativa aqui defendida. É  certo que essa visão não é compartilhada pela totalidade ou maioria  dos docentes, mas incorpora-se por nichos existentes no seio das  universidades públicas, ocupando as brechas e construindo uma nova  possibilidade de mudança, como afirma Dagnino (2004).

As Tecnologias Sociais

A defesa do que se convencionou chamar de Tecnologia Social (TS)  fundamenta-se na oposição às tecnologias convencionais. A  universidade que se presta, por meio da Extensão e da Pesquisa, a  desenvolver Tecnologias Sociais necessariamente necessita despir-se  da tradição do modelo tecnológico moderno que produziu a tecnologia  convencional ou pelo menos realizar as adequações necessárias para a  nova realidade, especialmente dos empreendimentos populares, o que  foi chamada pelo professor Dagnino (2004) de adequação sociotécnica.  A TS contrapõe-se ao modelo que valoriza a liberação de mão-de-obra,  utiliza insumos externos em demasia, degrada o meio ambiente, não  valoriza o potencial e a cultura locais e gera dependência, características  constituintes da Tecnologia Convencional.

A concepção de TS vai além do enfoque no artefato e agarra-se no  contexto e na realidade concreta dos sujeitos para transformar. É um  posicionamento político, na medida em que é um situar-se no mundo  das pessoas e de seu espaço, sua organização, de forma independente,  autônoma e autogestionária. A TS é um instrumento pedagógico, pelo  qual todos aprendem no construir das soluções.

Essas características da construção social da TS aproximam do  conceito de Extensão interativa. Compreender a concepção e as  metodologias para desenvolvimento das TSs é fundamental para a  atuação verdadeiramente de interação universidade–comunidade.  De acordo com Thiollent (2005), as metodologias participativas e a pesquisa-ação possibilitam a integração e viabiliza o desenvolvimento  de Tecnologias Sociais, indispensáveis ao desenvolvimento social.

Considerações Finais

A universidade pública brasileira necessita rever seus pressupostos  paradigmáticos e antenar-se para as novas configurações e as  necessidades do ensino superior. A articulação virtuosa da pesquisa e Extensão pode trazer, à luz dos princípios que regem o movimento  pela defesa da promoção das tecnologias sociais, contribuições  significativas para a transformação das estruturas que privilegiam poucos em detrimento de muitos. Quebrar resistências, modificar  arranjos institucionais, valorizar nichos e iniciativas emancipadoras são  condições necessárias para a profícua relação universidade–comunidade.

Referências Bibliográficas
DAGNINO, R. A tecnologia social e seus desafios. In: FUNDAÇÃO BANCO DO  BRASIL. Tecnologia Social: uma estratégia para o desenvolvimento. Rio de Janeiro:  Fundação Banco do Brasil, 2004. p. 187-209.
FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS. Plano Nacional de Extensão Universitária. Rio de Janeiro: Forproex, 2001. Disponível em: < http//www.renex.org.br >.
RIBEIRO, R. J. Prefácio: o sapo e o príncipe. In: ALMEIDA FILHO, N. Universidade  nova: textos críticos e esperançosos. Brasília/Salvador: UNB/ Edufba, 2007. p. 11-18.
SOUSA, A. L. L. A história da extensão universitária. Campinas: Alínea, 2000.
THIOLLENT, M. Perspectiva da metodologia de pesquisa participativa e de pesquisa-ação na elaboração de projetos sociais e solidários. In: LIANZA, S.; ADDOR, F. (Orgs.). Tecnologia e desenvolvimento social e solidário. Porto Alegre: UFRGS, 2005. p. 172-189.


Fonte: Livro Tecnologia Social e Desenvolvimento Sustentável: Contribuições da RTS para a formulação de uma política de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação. Junho de 2010

 

Portal mantido por: IBICT - Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia
Desenvolvido por: SCF Informática